Bombeiros Voluntários de Cacilhas

Pesquisa
Podemos não voltar,
mas vamos...

Comandantes


A 15 de Outubro de 1892, após completar a formação de bombeiro e em cerimónia realizada na Sede dos bombeiros municipais de Lisboa1, António Augusto Figueiredo Feio é promovido a 1º Comandante.
Durante o período que decorre da fundação da associação, o corpo activo foi liderado pelo Chefe Interino José Júlio Teixeira d’Oliveira, o qual ocupa então o posto de Ajudante de Comando enquanto Carlos Mendes Egreja assume o posto de 2º Comandante.
A 28 de Janeiro de 1937 morre o 1º Comandante António Augusto Figueiredo Feio, o 2º Comandante Carlos Egreja recusa assumir esse posto, posição a que a Direcção foi sensível até à data da sua morte a 6 de Dezembro de 1937.

A 27 de Maio de 1938 assume o posto de Comandante o Sr. Joaquim Henrique da Costa Branco, Tenente de Artilharia destacado no Forte de Almada. O quadro de comando é completo por José Júlio Teixeira d’Oliveira e Adjucto Semião do Nascimento, 2º Comandante e Aj. de Comando, respectivamente.
No mês de Fevereiro de 1941 o Comandante Joaquim Branco é destacado para as colónias em África, enquanto o 2º Comandante pede a demissão o Ajudante de Comando é destituído do cargo.

A 14 de Abril de 1941 assume o cargo de Comandante o Sr. Mário Couceiro Feio Reis, nos postos de 2º Comandante e Aj. Comando, encontramos o Sr. Eduardo Alves e o Sr. Armando Rodrigues, respectivamente.  
Por motivos pessoais o Comandante Mário Feio pede a demissão do cargo a 6 de Setembro de 1950, a investidura do novo comando é realizada no dia 7 de Maio de 1951: Comandante Eduardo Alves; 2º Comandante José Monteiro Marques; Aj. Comando Afonso dos Santos Morgado.
A 23 de Julho de 1955, perante a saída do 2º Comandante José Marques, promove o seu Aj. de Comando Afonso Morgado a 2º Comandante e proclama Heitor Carloto dos Santos enquanto Aj. Comando. 
A 21 de Outubro de 1964, o 2º Comandante Afonso Morgado ascende ao Quadro Honorário, assumindo esse posto o então Aj. Comando Heitor dos Santos, para o posto deste seria nomeado o Sr. Raul de Pinho Augusto; ilustre tesoureiro em várias Direcções.  
No dia 23 de Julho de 1975 o Comandante Eduardo Alves cessa funções activas.

Em 22 de Setembro de 1975 assume o posto de Comandante o 1º Tenente da Armada Sr. Jaime de Jesus Barão, homem de grande carácter e disciplina, que por motivos pessoais apenas conduz o corpo activo até meados de Julho de 1976, deixando ainda assim uma grande saudade na maioria do corpo activo.

Com 62 anos de idade e 44 anos de esforçado e dedicado serviço, o 2º Comandante Heitor Carloto dos Santos é promovido a Comandante em 1 de Agosto de 1976. A passagem ao Quadro Honorário ocorreu no dia 15 de Novembro de 1976.

Por escolha do corpo activo, a 31 de Dezembro de 1976 assume o posto de Comandante o Sr. José da Silva Robalo, o qual cessa funções a 30 de Novembro de 1977.

A 30 de Dezembro de 1977 assume o posto de Comandante o Sr. Josefredo Serra da Silva, a sua distinta personalidade aliada a uma perseverança imbatível projecta em pouco tempo a imagem de líder incontestável.
A 8 de Novembro de 1996 o Comandante Serra pede a passagem ao Quadro Honorário, sendo conduzido o seu 2º Comandante Sr. Clemente Joaquim Martins Mitra ao posto de Comandante a 30 de Novembro de 1996.

Por motivos pessoais cessa a função de Comandante em 16 de Janeiro de 2005, sendo conduzido no mesmo dia o seu 2º Comandante Sr. António Simões Guerra Godinho ao posto de Comandante.

Presentemente ocupa o posto de Comandante o Sr. Miguel Silva, que também transita do posto de 2º Comandante, tendo assumido funções no dia 16 de Janeiro de 2010, data da saída do posto do Comandante António Godinho.    
               

Notas bibliográficas

1 - Esta escola de instrução e manobras, criada em 1868 pelo Inspector de Incêndios Sr. Carlos José Barreiros, situava-se na Rua da Inveja e contava com um esqueleto de 20 metros de altura. Através da ordem de serviço emanada pelo Inspector em 15 de Março de 1876, podemos constatar uma instrução devidamente estruturada e relativamente aprofundada. Faziam parte da formação as seguintes matérias: exercícios sobre sinais, nomenclatura de peças e utensílios, bombas e carros, rede de águas, regulamentos, salvamentos e técnicas de combate a incêndios e manobras.

 

Autor: Chefe João Paulo Jesus